-->

10/07/2011

Liberadade - Ainda temos ?



O que é a liberdade ?

Sugundo o dicionário Aurélio, liberdade significa "1 - Faculdade de cada um se decidir ou agir segundo a própia determinação. 2 - Estado ou condição de homem livre. 3 - Confiança, intimidade (às vezes abusiva)".

Hoje no nosso país vivemos claramente um processo democrático, o que não deixa de ser uma liberdade, porém já tivemos perídos conturbados, como por exemplo o período da escravidão e mais recentemente o período da ditadura militar.

Mas todos nós sabemos que diante dos fatos violentos que vem acontecendo recentemente, estamos "perdendo" esta liberdade. Sim, isto mesmo, ou você acha que é uma pessoa livre ao sair numa cidade depois das 22:00hs ? Quem é que não fica com medo da bandidagem correndo solta pelo mundo ? Isto mesmo meus amigos, hoje não temos mais aquela segurança de sair de nossas casas. Os bandidos que deveriam estarem presos, não estão. E os que estão, comando tudo de dentro das cadeias e presidios.

Será que estamos voltando aos primórdios do tempo da escravidão ? Só que desta forma sem as temidas correntes que eram fixadas nos pulsos e pés dos escravos.

Este assunto me fez pensar em uma história que li recentemente numa revista sobre uma garotinha que viveu horrores na segunda grande guerra mundial. 

Anne Frank, foi uma judia obrigada a viver escondida durante a segunda guerra. Toda a sua família, e mais quatro pessoas, viveram 25 meses, num sótão em cima do escritório do pai dela, em Amesterdã, denominado como Anexo Secreto.



Enquanto vivia lá, Anne escrevia em seu diário, a que ela deu o nome de Kitty. Escrevia o que sentia, pensava e o que fazia. Kitty era sua única amiga dentro do Anexo Secreto.


Página do Diário de Anne Frank

Os longos meses de silêncio e medo aterrorizante, acabaram quando sua família foi denunciada aos nazistas e deportada para os campos de concentração. Primeiramente Anne foi levada junto com a sua família para uma escola e depois para Westerbok, nos Países Baixos, antes de serem deportados para o leste da Europa.


Campo de Concentração de Westerbok

Em seguida Anne foi deportada para Auschwitz, juntamente com os pais, irmã e as outras pessoas com quem se refugiava na casa de Amsterdã  (hoje casa-museu). Depois levaram-na para Bergen-Belsen, juntamente com a irmã, separando-a dos pais.



Campo de Concentração de Auschwitz

Em 1945, Anne morre de  tifoo em Bergen-Belsen. A irmã, Margot Frank, tinha falecido também vítima do tifo e da subnutrição dias antes de Anne.

Memorial à Anne Frank e sua irmã em Bergen-Belsen

Sua morte aconteceu duas semanas antes de o campo ser libertado. O seu diário ficou guardado durante a guerra por Miep Gies e foi publicado pela primeira vez em 1947. O diário está atualmente traduzido em 67 línguas e é um dos livros mais lidos do mundo.

O local onde a família de Anne Frank e outras quatro pessoas viveram para se esconder dos nazistas ficou conhecido como Anexo Secreto e tornou-se um famoso museu após a publicação do diário. Nesse há uma reprodução das condições em que os moradores do Anexo Secreto viviam e é apresentada a história de seus oito habitantes e das pessoas que os ajudaram a se esconder durante a guerra.


Entrada do "Anexo Secreto"




Um dos itens apresentados ao público é o diário escrito por Anne, que viria a se tornar mundialmente famoso após sua morte, devido a iniciativa de seu pai, Otto, de publicá-lo. Hoje, é um dos mais famosos símbolos do Holocausto.

Dos oito habitantes do Anexo, o único sobrevivente após a guerra foi Otto, pai de Anne.


Família de Anne Frank

Bom, amigos, lembrando desta história verídica pergunto. Será que nós não estamos vivendo nos Anexos Secretos da vida ?

Reflitam..

4 comentários:

Michele Andrea disse...

Li o livro da Anne Frank algumas vezes e é realmente uma história maravilhosa e aterrorizante. Parabéns pela iniciativa!

"Eu quero esse livro!"

Ellen disse...

Creio que no final das contas, essa liberdade plena é quase impossivel para pessoas que vivem em sociedade como a nossa, afinal, ao fazermos um "contrato social" escolhendo que minoria nos governe, estamos abrindo mão dessa liberdade em prol da harmonia coletiva :D
Acho que é como dizem: é a liberdade que nos prende. A liberdade que nos permitiu viver em sociedade que nos prende e nos limita :D

/ "Eu quero este livro !!!"
:D

Robinho disse...

Ola Michelle,

Realemnte é uam história muito emocionente, principalmente pelo fato do diário ter sido divulgado por uma pessoa que conviveu com ela..

Robinho disse...

Olá Ellen, creio que o correto seria dizer que somos reféns de nós mesmos, pois nós somos a sociedade...