-->

21/09/2012

Centro Histórico do Rio de Janeiro


Quando se fala em Rio de Janeiro, o que vem a mente? Pedra da Gávea, Pão de Açúcar,  Cristo Redentor, Lapa, bossa-nova, samba, Ipanema e por aí vai. Mas já pensou em fazer um passeio por igrejas, espaços culturais e praças? Não?! Olha, é um roteiro diferente e interessante. Que tal conhecer essas dicas e fazer um passeio pelo centro histórico da cidade maravilhosa?

O passeio pelos pontos turísticos pode ser feito a pé e em dias úteis, em horário comercial, quando a maioria das igrejas permanece aberta, a região está mais policiada, há vários táxis em circulação e os restaurantes estão funcionando. Entretanto, nos fins de semana, têm lugar importantes atrações, como as missas e os eventos nos centros culturais (mostras, peças e exposições) e, embora a segurança deixe a desejar e a vivacidade seja menor nas ruas do Centro, nada o impede de realizar o roteiro.

Os pontos turísticos apontados aqui, permitem que os turistas e visitantes conheçam muitas igrejas imponentes e exuberantes e muitos centros culturais instalados próximos a Baía de Guanabara.

Vamos as dicas!

1. Igreja do Mosteiro de São Bento – Expressão máxima do barroco na cidade, a igreja cuja construção data de 1633 a 1690 tem uma fachada austera que esconde um rico interior revestido por talhas de madeira dourada. Os oito magníficos altares laterais ostentam as imagens dos séculos XVII e XVIII. Não deixe de apreciar as delicadas formas dos anjos que adornam seu interior. Na sacristia, destaca-se o Cristo representado no painel Senhor dos martírios, pintado em 1690 por frei Ricardo do Pilar, autor de outros quadros do mosteiro. Aos domingos, às 10 horas, realiza-se a concorrida missa em que os monges entoam cantos gregorianos – para ouvi-los deve-se chegar ao local com bastante antecedência. Endereço: Rua D. Gerardo, 68, Centro, tel. (21) 2291-7122. Todos os dias das 8h às 11h e das 14h30 às18h.




2. Centro Cultural dos Correios - O prédio em estilo eclético que sediaria uma escola profissionalizante do Lloyd brasileiro teve sua construção iniciada por volta de 1920. Porém, antes mesmo da inauguração, em 1922, já havia sido transferido para os Correios, cuja administração funcionou no local até a década de 1980. Após ser desativada, passou por reformas e, em 1993, foi transformado em centro cultural. Preservaram-se elementos característicos da época de sua construção, como o elevador, para três pessoas, além do ascensorista. Exposições de arte gratuita são realizadas em suas salas, enquanto filmes, peças e apresentações de música brasileira de concerto concentram-se em um auditório para duzentas pessoas. O térreo abriga uma pequena galeria para exposições, uma agradável cafeteria e uma agência dos Correios em funcionamento, assim se estiver por lá, aproveite e envie um cartão postal da cidade para um amigo. (Ele vai morrer de inveja, hehehe!). Na praça dos Correios, ao lado, podem ocorrer eventos ao ar livre. Endereço: Rua Visconde De Itaboraí, 20, Centro, tel. (21) 2253-1580. Terça a domingo das 12h às 19h.




3. Casa França-Brasil – O projeto – primeiro registro do estilo neoclássico na cidade – é do arquiteto francês Grandjean de Montigny, que veio ao país em 1816 com a Missão Francesa. (A Missão Francesa foi chefiada pelo intelectual Joaquim Lebreton e trouxe diversos artistas com Nicolas Taunay e Jean-Baptiste Debret, além do arquiteto Grandjean. Essa missão teria sido uma iniciativa de dom João VI para formar no Brasil a Academia de Artes e Ofícios e inaugurar o ensino sistemático da arte. Lebreton trouxe consigo uma pequena coleção de quadros, que deu origem ao acervo existente no Museu Nacional de Belas-Artes.) Inaugurado em 1820 como praça do comércio, o espaço foi utilizado depois como Alfândega, arquivo de bancos e finalmente, de 1956 a 1978, como sede do Segundo Tribunal do Júri. Hoje funciona como centro cultural, sem acervo próprio, e abriga exposições ao longo do ano. Para saber sobre a programação visite o site Casa França-Brasil. Merece apreciação as 24 colunas em estilo dórico (de madeira com pintura de trompe l’oeil que imita mármore) que demarcam a área sob a grande abóboda central com clarabóia no alto. Há uma pequena livraria, café e um cinema. Nos fundos da Casa funciona o Arte Temperada Bistrô e Buffet, com opções de pratos franceses e alguns brasileiros, e abre diariamente (tel. (21) 2253-2589, todos os dias das 12h às 19h). Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 78, Centro, tel. (21) 2253-5366, terça a domingo das 12h às20h.




4. Igreja da Ordem Terceira do Carmo – Inaugurada por volta de 1770, é uma das únicas igrejas da cidade cuja fachada é totalmente revestida de pedra. Entre os destaques, seis altares que representam os passos da Paixão de Cristo e, na sacristia, um lavabo de mármore assinado por Valentim da Fonseca e Silva, o mestre Valentim. No altar-mor há uma imagem rara: a da santa Emerenciana, tida como bisavó de Jesus, representada como a filha Santa Ana (mãe de Maria e avó de Jesus) em seus braços. Endereço: Rua 1º de Março, s/n, Centro, tel. (21) 2242-4828. Segunda a sexta das 8h às 16h; sábado das 8h às12h.




5. Igreja Nossa Senhora da Candelária – A atual construção erguida entre 1775 e 1898, substituiu a original do fim do século XVI. O interior é revestido de mármore e, no teto da nave, há painéis de Zeferino da Costa, executados por volta de 1880, que narram a história da igreja. As belas portas de bronze do escultor português Antônio Teixeira Lopes foram instaladas em 1901. Em frente pode se ver a escultura Mulher com ânfora de autoria de Humberto Cozzo. Endereço: Praça Pio X, Centro, tel. (21) 2233-2324. Segunda a sexta das 8h às 16h; sábado das 8h às12h e domingo das 9h às 13h.




6. Igreja Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores – Situada na histórica rua do Ouvidor, a modesta igreja é considerada por muitos a mais charmosa da cidade – internamente toda esculpida com madeira, possui clarabóia na sacristia. Erguida por mascates em 1750 como um oratório público, passou por ampla remodelação no século XIX. Em 1893, durante a Revolta da Armada – sublevação da Marinha contra o governo -, uma bala de canhão endereçada ao Palácio do Itamaraty atingiu o campanário e derrubou uma imagem de mármore de Nossa Senhora. A estátua (qe escapou incólume) e o artefato que a atingiu estão na sacristia. Aproveite a visita para admirar na rua os sobrados com fachadas decoradas e o calçamento de paralelepípedos. Endereço: Rua do Ouvidor, 35, Centro, tel (21) 2509-2339. Segunda a sexta das 8h às 14h.




7. Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) - Erguido entre 1880 e 1906, o prédio onde hoje funciona o CCBB foi projetado em estilo neoclássico por Francisco Joaquim Bethencourt da Silva, seguidor de Grandjean de Montigny. Construído para sediar a Praça do Comércio (espécie de Bolsa de Valores da época), tornou-se propriedade do Banco do Brasil na década de 1920 e, desde 1989, abriga o centro cultural. Nele ocorrem algumas das atrações mais respeitadas da cidade, entre exposições de arte de qualidade, eventos musicais e peças de teatro. Funciona também como ponto de encontro, lazer e happy hour, pois dispõe de cinema, biblioteca, livraria e restaurante. Repare na arquitetura do prédio, no belo hall central e no requinte das colunas e dos ornamentos. Endereço: Rua 1º de Março, 66, Centro, tel. (21) 3808-2020. Terça a domingo das 10h às 21h.




8. Real Gabinete Português de Leitura - A mais espetacular biblioteca de obras portuguesas fora de Portugal, com pelo menos 350 mil títulos, fica num edifício datado de 1837 em estilo neomanuelino. O imponente e belo salão de leitura, de pé-direito alto, deixa à mostra a estrutura metálica decorada com motivos medievais dourados, que termina em um vitral de ferro e vidro que cobre todo o salão. As mesas de leitura são de jacarandá trabalhado. Entre as raridades, estão oas Ordenações de dom Manuel, por Jacob Cromberger, editadas em 1521; manuscritos de Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco; e o Dicionário de língua tupy, de Golçalves Dias. Parte do acervo pode ser visitada, à exceção das obras raras. Endereço: R. Luís de Camões, 30, Centro, tel. (21)2221-3138. Segunda a sexta de 9h às 18h.




9. Centro de Arte Hélio Oiticica - O prédio é uma imponente construção do século XIX, em estilo neoclássico e foi concebida para receber o Conservatório de Música e hoje abriga a coleção de um dos artistas brasileiros mais radicais entre os anos de 1960 a 1970, criador dos parangolés, obras de arte multicoloridas que podem ser vestidas como capas. Em suas seis galerias ocorrem algumas exposições temporárias de artistas consagrados. Endereço: R. Luís de Camões, 68, Centro, tel. (21) 2232-1104. Terça a sexta das 11h  às 18h; sábado, domingo e feriados das 11h ás 17h.




10 Igreja de São Francisco de Paula – Originalmente uma ermida que se tornou capela e depois igreja, tem a pedra fundamental datada de 1759, embora só tenha ficado pronta em 1865. Apresenta fachada de traços barrocos, com frontão curvilíneo em cantaria, e apesar de mal conservada e cercada de vendedores ambulantes, merece ser visitada pelas surpresas que podem ser admiradas em seu interior, como os vitrais vindos de Munique, e os ornamentos feitos por Mestre Valentim na capela-mor, os entalhes de Antônio de Pádua Castro e as pinturas de Vítor Meireles. Endereço: Largo de São Francisco, s/n, Centro, tel. (21) 2509-0067. Segunda a sexta das 9h às 13h.




11. Espaço Cultural da Marinha - Tem destaque o navio-museu Bauru, o submarino-museu Riachuelo e a galeota a remo de 1808, usada pela família imperial. Há ainda instrumentos de navegação e objetos de naus que naufragaram. O local oferece visita guiada à ilha Fiscal, com interessantes construções neogóticas e onde foi realizado o último baile da monarquia, dias antes da proclamação da República. Endereço: Av. Alfredo Agache, s/n, Centro, tel (21) 2104-6025. Terça a domingo das 12 às 17h. Passeios à ilha Fiscal: quinta a domingo às 13h, 14h30 e 16h.

12. Paço Imperial – Construída em 1743, este palácio em estilo colonial serviu como residência dos vice-reis, foi sede do governo português a partir de 1808 com a chegada de Dom João e sua corte, assistiu a elevação da colônia à condição de Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves em 1815 e finalmente transformou-se em sede do governo imperial a partir de 1822. O prédio, tombado como patrimônio histórico, foi palco de acontecimentos importantes, como a aclamação de dom João VI como rei de Portugal, o Dia do Fico e a assinatura da Lei Áurea. Após a Proclamação da República, foi sede dos Correios e Telégrafos; restaurado em 1985, passou a ser utilizado como centro cultural, com boa programação de arte contemporânea e sala de cinema. Para saber da programação acesse Paco Imperial (www.pacoimperial.com.br). Há ainda o sebo Livraria Imperial, com acervo de artes e ciências humanas (tel. (21) 2533-4537. Segunda a sexta das 9h às 20h; sábado das 11h às 17h), a loja de música Arlequim (tel. (21) 2240-9398. Segunda a Sexta das 9h às 20h; sábado das 10h às 17h) e o Bistrô do Paço (tel. (21) 2262-3613. Todos os dias das 11h às 19h). Endereço: Praça 15 de Novembro , 48, Centro, tel. (21) 2533-4491. Terça a domingo das 12h às 18h.



13. Igreja Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé - Erguida em 1761, ostenta em seu interior talha em estilo rococó, de mestre Inácio Ferreira Pinto, altar-mor com entalhes em prata lavada, lavatório em mármore e teto decorado com majestosos painéis. Nela, foram realizadas as mais importantes cerimônias católicas da cidade, como a missa de coroação de dom Pedro I, o batizado e o casamento de dom Pedro II e da princesa Isabel. Infelizmente o exterior sofreu alterações, perdendo muitos elementos originais. Endereço: Rua 7 de Setembro, 15. esquina com a Rua 1º de Março, Centro, tel. (21) 2242-7766. Segunda a sexta e todo primeiro sábado do mês ads 8h às 16h.




14. Praça Quinze e Estação das Barcas – A praça Quinze de Novembro guarda relíquias históricas, como o Paço Imperial e o chafariz do Mestre Valentim, em forma de pirâmide, construído em 1789, com mármore e gnaisse (pedra de galho), para substituir um primeiro, datado de 1750. Da praça, vê-se também o pequeno Arco do Teles, uma passagem construída pela família Teles de Meneses no século XVIII. A Estação das Barcas, onde se situava o antigo Cais Pharoux, porta de entrada e saída da cidade, foi erguida no século XIX, com balsas para Niterói. Hoje, faz a ligação entre Rio, Niterói e Paquetá e funciona 24 horas, com saídas regulares. Confira os horários no site Barcas S/A (www.barcas-sa.com.br) ou ligue para (21)4004-3113. No centro da praça está o Monumento ao General Osório, bronze do escultor Rodolfo Bernardeli feito entre 1888 e 1894.


15. Igreja Nossa Senhora do Bonsucesso – No século XVI, a fundação da Santa Casa de Misericórdia impulsionou a construção de uma pequena capela de barro, sob a administração do hospital. Desde então, a igreja, também conhecida como Nossa Senhora da Misericórdia e Santa Isabel, sofreu inúmeras reformas, sobretudo entre os séculos XVII e XVIII, quando recebeu o nome atual. A fachada é fruto de uma grande reconstrução do século XIX e XVIII., quando recebeu o nome atual. a fachada é fruto de uma grande reconstrução do século XIX, que também acrescentou uma cúpula a capela-mor. No interior, destacam-se os retábulos do século XVII, que são os mais antigos da cidade, e o púlpito, oriundos do antigo Colégio dos Jesuítas no morro do Castelo, demolido em 1922. Endereço: Largo da Misericórdia, s/n, Centro, tel. (21) 2220-3001. Segunda a sexta das 7h às15h30.




O Rio de Janeiro guarda muitas surpresas e também muita história que é contada através de seus casarões antigos, igrejas, praças, museus entre outros pontos turísticos. No primeiro post sobre o Centro Histórico do Rio de Janeiro, falamos sobre algumas atrações presentes no centro e que muitos turistas, que visitam a Cidade Maravilhosa, esquecem que existe.

Continuando com as dicas sobre o centro histórico do Rio de Janeiro, vamos dar mais sete dicas legais além de 3 dicas de restaurantes e bares que também tem história para contar.
Depois de andar tanto, uma parada para recarregar as baterias é obrigatória. As estreitas e históricias ruas do Centro é recheada por botecos e restaurantes, sobretudo os de influência portuguesa e muitos tem mais de cem anos de existência. Então, que tal visitar e saborear algo nos centenários botequins do centro? Para fechar essa matéria, nada melhor do que dicas sobre restaurantes e bares situados bem próximos dos pontos turísticos do centro. Aí vão três preciosas dicas.

1. No tradicional e agradável Rio Minho, aberto em 1884, pode-se saborear um petisco no balcão enquanto se admiram seus azulejos. O lugar ganhou fama por servir pratos como a sopa Leão Veloso, à base de frutos do mar. Endereço: Rua do Ouvidor, 10, tel. (21) 2509-2338. Segunda a sexta das 11h às 16h.




2. O Bar do Luiz aberto em 1887 pelo alemão Adolf Rumjaneck, é uma instituição carioca. Desde 1927 no mesmo endereço, oferece chope gelado, cozinha alemã, além de embutidos, frios e carnes variadas. Ari Barroso e Bezerra da Silva foi alguns de seus frequentadores. Endereço: Rua da Carioca, 39, tel. (21) 2262-6900. Segunda a sábado das 11h às 23h30; domingo de 12h às 18h




3. O português Panafiel, fundado em 1913, com ambiente simples traz pratos fartos, e atrai para o almoço aqueles que querem saborear o arroz de lula e de pescadinha, o mocotó à portuguesa, a dobradinha e o bacalhau com arroz e brócolis. Endereço: Rua Senhor dos Passos, 121, tel. (21) 2224-6870. Segunda a sexta as 11h às 15h30.




Amigos,

Espero que tenham gostado... e curtam o passeio...

3 comentários:

Stela Cazelli disse...

Valeu... Obrigada pelas imagens e pelas importantes informações.
Um abraço,
Stela

kakah disse...

Nossa ameii!!! As igrejas já visitei todas elas e vale mto o passeio, já os restaurantes super indico o Rio Minho... Os outros ainda não tive o prazer =(

Bjs!

Karina Charles

kakah disse...

Nossa Ameiii... Já visitei todas estas igrejas e o passeio é muto bacana, a arquitetura, a história de cada uma... super indico... Já os restaurantes, só conheço o Rio Minho e amooo!!! Os outros ainda não tive o prazer...
Bjs!

Karina